Saúde Animal

Saude Animal

Saúde Animal

Aspectos Nutricionais – Considerações Gerais




caes_logo

multicaesCom o passar dos séculos, o homem trouxe para sua companhia os animais, ou com finalidade de trabalho ou para fins alimentares. Desde esses tempos, o ser humano teve que se preocupar em como manter esses animais, mesmo que um rebanho estivesse livre em um campo. Surge então, junto à domesticação, o processo de alimentação animal. E, com o passar dos tempos e avanço das Ciências, a simples alimentação animal já dava lugar ao estudo da nutrição animal.

Tem-se que estar consciente de uma pequena diferença: alimentação e nutrição. Grosso modo, alimentar é apenas a ingestão de alimento, suprindo as necessidades psíquicas (fome); já a nutrição busca, além da alimentação, suprir todos os requisitos do organismo, ou seja, fornecer os “combustíveis” adequados ao funcionamento correto deste. Assim sendo, deve-se ter uma preocupação considerável com a parte nutricional.

Atualmente, há um grande cisma sobre o assunto. Há quem defenda veementemente ministrar apenas ração; outros estudiosos, porém, condenam veementemente a ração e lançam a validade apenas da alimentação natural. Há também, claro, quem permaneça em um meio termo. Todas as teorias tem sua validade e também defeitos. Uma alimentação natural pode não suprir as necessidades nutricionais do animal, caso seja preparada inadequadamente, ao passo que uma ração de baixa qualidade pode, além de não nutrir, prejudicar o organismo.

O maior intuito de consumir alimento é fornecer a energia necessária às células, para que possam desempenhar seus diversos papéis no organismo. Cada aparelho ou sistema possui células com papéis específicos que necessitam, portanto, de nutrientes específicos ou quantidades específicas de energia para seu funcionamento.

A energia contida nos alimentos pode ser dividida em duas categorias: energia bruta e energia metabolizável. A energia bruta é a energia total contida no alimento; a energia metabolizável é aquela que pode ser aproveitada pelo organismo. Ao longo da evolução, os diversos animais desenvolveram necessidades diferenciadas, intimamente ligadas ao modo de vida. Um coelho tem necessidades nutricionais diferentes das de um cão, que por sua vez possui necessidades diferenciadas em relação a um gato. Com isso, a capacidade de metabolizar a energia de um mesmo alimento também se diferencia, ou seja, a energia de uma fruta é metabolizada de forma diferente em um cão e no ser humano, por exemplo. Esse fato também está ligado ao desenvolvimento fisiológico: como exemplo cita-se o fato de, em carnívoros, o comprimento dos intestinos influenciar na quantidade de alimento por ele degradado (e metabolizado), ou seja, o homem consegue degradar mais um mesmo alimento em relação a um cão, pois o comprimento do intestino deste é bem inferior ao daquele.

Levando-se em conta essas considerações, diversas pesquisas chegaram às quantidades desejáveis de cada nutriente na alimentação diária. O intuito desse texto não é defender marcas de rações ou quais alimentos frescos oferecer. Caberá ao leitor, em conjunto com um Médico Veterinário de confiança, estabelecer qual o melhor alimento para o cão em questão. Dá-se, apenas, uma noção geral sobre o que deve constar na alimentação. Caso o leitor opte por ração industrializada, escolha aquela que possua em seus ingredientes carnes leves e vegetais, pois rações derivadas apenas de farináceos podem não oferecer nutrição adequada e, por ventura, prejudicar o organismo; optando por alimentação fresca, veja quais desses são de preferência do animal e, junto com o Médico Veterinário, trace um cardápio que balanceie os nutrientes.

{INÍCIO} -{CONSIDERAÇÕES GERAIS } – { ENERGIA E METABOLISMO } – {OS NUTRIENTES } – {ALIMENTAÇÃO ADEQUADA E MÉTODOS DE ALIMENTAÇÃO } – {CONSIDERAÇÕES FINAIS } – {BIBLIOGRAFIA }

Luigi Leonardo Mazzucco Albano
Bacharel em Química
Auxiliar Veterinário
Aquariólogo