Saúde Animal

Saude Animal

Saúde Animal

Como adaptar o filhote em casa




caes_logo

Todo mundo acha os filhotinhos superlindos. O problema é que eles dão muito trabalho e as pessoas, muitas vezes, não sabem como lidar com as questões desta fase. Talvez seja a fase mais importante para o animal, pois nela é que iremos ensinar tudo o que é necessário para o resto de sua vida. As principais questões de quem acaba de adquirir um filhote são: as primeiras noites, mordidinhas, necessidades no local correto e socialização.

As primeiras noites

O que fazer com o cãozinho que chora sem parar nas primeiras noites? Os proprietários devem estar preparados para dormir com o filhotinho nas primeiras noites. As pessoas devem entender que ele está num lugar totalmente desconhecido, sem os irmãozinhos, sem a mãe, sem as pessoas que cuidavam dele e sem os barulhos e cheiros familiares. Se for possível, leve para casa um paninho com o cheiro da mãe e dos irmãozinhos para ele não sentir tanta falta deles durante a adaptação. Não queira colocar o filhote no local onde ele vai dormir definitivamente (na lavanderia ou no quintal, por exemplo), pois ele irá chorar sem parar, podendo ter traumas no futuro. Além disso, o dono corre o risco de ensinar o filhote a chorar, pois irá pegar no colo e atender prontamente quando isso ocorrer.

Conforme o tempo for passando, e o filhote se acostumar com as pessoas e a nova casa, o dono poderá começar a passar um tempo no lugar definitivo durante o dia até que cão consiga ficar no local também à noite.

Mordidinhas

As mordidinhas nesta fase também são muito comuns. É quando os dentes estão nascendo e a gengiva começa a coçar muito. Desta forma, para se aliviar, ele passa a morder tudo o que está na frente. Mordem o paninho, a caminha, o pé da cadeira, o puxador da gaveta, o chinelo e também, claro, a mão do dono. Morder é uma necessidade natural nesta fase. Por isso, não adianta impedir que ele morda ou destrua os objetos. O importante é ensinar o que deve ou não ser destruído. Dê muitos brinquedos, ossinhos, mordedores e incentive-o a brincar com estes objetos. Quando o filhotinho estiver com um deles na boca, fale com ele, elogie, faça carinho, dê petisquinhos.

Mas e quando ele morde a mão e os objetos que não deveria? Podemos usar spray amargo (repelente para objetos de uso veterinário – encontrado em petshops) diretamente nesses objetos, ou ainda espirrar bem na hora em que ele estiver roendo, dizendo um “NÃO” firme. Não use pimenta, álcool, vinagre ou algo que não foi testado em animais. Você pode prejudicar a saúde do cão!

Necessidade no local correto

Diferente do que muita gente pensa, ensinar o filhote a fazer as necessidades no local correto é muito fácil. Porém, requer um pouco de dedicação por parte do dono.

Inicialmente, o banheirinho deve sempre ficar na periferia do cômodo, geralmente, do lado oposto da cama e da comida, que devem ser colocados perto da porta. O banheirinho deve sempre ser muito confortável, num tamanho razoável para que ele possa cheirar e dar a voltinha quando tem vontade de fazer cocô. Pode usar tapetes higiênicos, jornal, grama etc. Os cães preferem locais em que o xixi absorva mais. Por isso, retire temporariamente os tapetes de sua casa.

Controle os horários das refeições. Geralmente, eles fazem as necessidades logo que comem ou acordam. Nesses horários, o dono deve levar o filhote ao banheiro, incentivando-o a ficar no jornal (ou tapete higiênico), e aguardar até que ele se alivie. Assim que ele se aliviar, parabenize com festinha e petiscos. Caso ele não faça, o dono deve ficar com ele no colo por mais um tempo até que ele fique mais apertado (no colo, a probabilidade de fazer xixi é muito baixa) e levá-lo ao banheiro, procedendo da mesma forma. Com o treino, o cão faz o xixi e vem pedir petisco para o dono. É desta forma que sabemos que o cão aprendeu onde é o local desejado.

Nesta fase, as broncas quando faz no lugar errado estão proibidas. Se ele errar, não fale, não converse, não bata, não esfregue o focinho, não limpe na frente dele. Simplesmente, ignore o ato. As broncas (borrifador com água, bem na hora, por exemplo) só podem ser dadas quando o cão já souber onde é o local correto e, sem querer, errou.

Socialização

Não podemos nos esquecer de uma das coisas mais importantes nesta fase: a socialização. A janela de socialização se fecha por volta do terceiro mês de idade. Geralmente, as vacinas ainda não acabaram. Como fazer? Nesta fase, o dono deve apresentar tudo o que puder ao cão para que ele não seja medroso com algumas coisas. Ele pode sair de carro para ver pessoas diferentes, carros, caminhões, crianças etc. Pode sair no colo ou em caixa de transporte para sentir novos cheiros e barulhos. Pode conhecer outros animais (sociáveis e saudáveis) em ambiente seguro, livre de contaminações (na sua casa, por exemplo). Sempre incentivando com petiscos. Mas ele NUNCA deve ir ao chão em lugares em que você não conhece o cão que esteve lá (parques, praças, rua, clínica veterinária), pois ele pode, sim, ficar doente, pois não terminou de tomar todas as vacinas.

E lembre-se: consulte sempre um veterinário e um especialista em comportamento canino para ajuda-lo com qualquer dúvida.

Texto: Tatiane Ichitani (consultora de comportamento e adestradora da Equipe Cão Cidadão)
Revisão e Edição: Alex Candido