linha


linha


Entre para a família Saúde Animal.

linha

Entre e faça uma homenagem ao seu amigo.


CONDIÇÕES DE USO DE NOSSAS IMAGENS E TEXTOS

ALCON

Google
 

BULL TERRIER


Em 1835, foi votada pelo Parlamento Britânico uma lei que proibia o combate entre cães (normalmente "Bulldogs") e touros. Esta lei não conseguiu extinguir a paixão do povo inglês pela luta entre animais. Os mesmos cães que antes enfrentavam os touros, passaram a ser utilizados em rinhas de cães, que não eram exatamente uma novidade pois em outros países este hábito já existia há muito tempo.

Sendo tais combates proibidos pela lei Britânica, as "rinhas" eram realizadas às escondidas, na clandestinidade. As lutas entre os Bulldogs eram rápidas e sem mobilidade, já que os cães mordiam e não soltavam mais até a morte, fato que fez com que os mais "apaixonados" pela atividade procurassem a criação de uma raça que mantivesse a valentia, combatividade, tenacidade e insensibilidade à dor do "Bulldog "a outros predicados que se faziam mister para uma boa "briga". O cão utilizado para esta "miscigenação " foi o Terrier branco existente na ilha, muito popular, valente e ágil, caçador de predadores como lobos e raposas.

Assim surgiram os primeiros Bulldog and Terrier, que durante gerações combateram seus irmãos de raça.

Pouco a pouco o Bulldog and Terrier foi se tornando o companheiro do inglês de classe média, principalmente dos universitários de Cambridge e Oxford, subindo posteriormente para os salões mais nobres.

Por volta de 1850, um lorde de Birmingham, chamado James Hinks resolveu apurar um pouco mais a raça, que carecia de beleza e simetria. Durante anos efetuou cruzamentos utilizando outras raças e muita consangüinidade, até o ano de 1862, quando apresentou pela primeira vez em uma exposição, o cão resultante de seu trabalho. Foi considerado um cão muito superior em confronto, beleza e temperamento aos antigos Bulldog and Terrier.

Desde então, vem sendo criado em vários países como Estados Unidos, Alemanha, Austrália, Holanda, Argentina dentre outros e, recentemente no Brasil.

Hoje o Bull Terrier é um cão cercado de lendas e histórias, contadas na sua maioria por maus proprietários, que se aproveitam de sua valentia, determinação e força para outros fins, como também se aproveitam de outras raças como: American "Pit Bull" Terrier, Mastim Napolitano, Tosa dentre outras.

Devido aos vários incidentes ocorridos ultimamente envolvendo cães da raça American Pit Bull Terrier, mais conhecido como PIT BULL, a imagem do BULL TERRIER vem sendo erroneamente utilizada pela mídia para identificação visual dos cães, provavelmente pela similaridade de nomes, mesmo sendo cães muito diferentes na aparência e temperamento.

O Bull Terrier atual é antes de tudo um grande amigo e companheiro, sempre cheio de vida e disposição, com abnegação total pelo seu amado senhor; gosta do ambiente familiar, tem paciência de "Jó" com as crianças e quando é ignorado, normalmente procura as pessoas da família com pequenos encontrões e lambidas como que implorando a sua atenção e carinho.

Por ser um cão rústico, não necessita de cuidados especiais, podendo ser criado em pequenos espaços e até em apartamentos, precisando apenas de passeios diários a fim de exercitar a sua poderosa musculatura.

Dentro de casa é um cão educado e inteligente, preservando o seu espaço. Por ter o pelo curto, a sua higiene é fácil e sempre faz suas necessidades no lugar escolhido por seu dono. Outra característica muito marcante do Bull Terrier é que ele praticamente não late, só o fazendo normalmente para avisar a presença de estranhos.

Com temperamento alegre , gosta muito de deitar em um confortável sofá e assistir a um bom programa na televisão juntamente com a família, de brincar e pular como um "canguru" e dar rodopios no ar para chamar a atenção, buscar bolinhas e outros brinquedos, apesar de não deixá-los inteiros por muito tempo.

Padrão da Raça - CBKC *(Bruno Tausz)  

ASPECTO GERAL: cão de constituição forte e sólida, musculoso e simétrico, com uma expressão viva, determinada e inteligente.


CARACTERÍSTICAS: o Bulterrier é o gladiador das raças caninas, plena impetuosidade e coragem. É único em suas características de cana nasal descendente (downface) e cabeça ovóide. Independente do tamanho, os machos devem ser notadamente másculos e as fêmeas bem femininas.


TEMPERAMENTO: equilibrado, talhado à disciplina, se bem que obstinado, é particularmente amável com as pessoas.


CABEÇA E CRÂNIO: cabeça longa, forte e profunda até o final do focinho, jamais grosseira. Visto de frente, tem o formato de um ovo de superfície uniforme e lisa, mas chato entre as orelhas. Visto de perfil a linha superior desde o topo do crânio até o focinho é arqueada. A trufa é preta com a ponta inclinada para baixo e as narinas bem desenvolvidas; o maxilar inferior é forte e profundo.


BOCA: dentes sadios, fortes, de bom tamanho e ortogonalmente inseridos. Apresentam uma mordedura em tesoura perfeita, completa com os incisivos alinhados, isto é, os incisivos superiores ultrapassam, pela frente, os inferiores, em contato justo e todos inseridos ortogonalmente aos maxilares. Lábios secos e ajustados.


OLHOS: de aspecto estreitos e triangulares, inserção oblíqua e profunda, pretos ou marrom tão escuro quase preto, com expressão penetrante. A distância, desde os olhos até a ponta do nariz, deve ser, nitidamente, maior que a dos olhos ao topo do crânio. Olhos azuis ou parcialmente azuis são indesejáveis.


ORELHAS: inseridas relativamente próximas, pequenas, finas e portadas firmemente eretas.


PESCOÇO: bem musculoso, longo, arqueado, reduzindo o diâmetro da cernelha para a cabeça, sem barbelas.


ANTERIORES: ombros fortes e musculosos, sem serem carregados. A ponta dos ombros fica próxima à ponta do esterno com as escápulas planas, largas, com pronunciada angulação com os úmeros. Membros anteriores retos com ossatura de seção redonda, muito fortes e robustos de modo que o cão possa ficar, solidamente, plantado conferindo um paralelismo perfeito. Cotovelos fortes, firmes e bem ajustados, trabalhando rente ao tórax. No cão adulto os cotovelos ficam na metade da distância da altura na cernelha. Metacarpos verticais.


TRONCO: bem roliço, costelas muito bem arqueadas, dorso curto e forte. A linha superior é de nível desde a cernelha, lombo levemente arqueado, largo e bem musculoso. Peito, visto de frente, é largo; visto de perfil, com grande profundidade da cernelha ao esterno. A linha inferior, do esterno ao ventre sobe em graciosa curva.


POSTERIORES: visto por trás, os posteriores apresentam paralelismo. As coxas devem ser musculosas e as pernas bem desenvolvidas. Os metacarpos são curtos e retos, os joelhos e jarretes são bem angulados.


PATAS: redondas e compactas, com dedos bem arqueados.
CAUDA: curta, de inserção baixa, portada horizontalmente. Mais grossa na raiz, afinando, gradualmente, até a ponta.


PELAGEM: pêlo curto, assentado, denso e áspero ao toque e bem brilhante. O subpêlo macio e pode estar presente no inverno. A pele é firmemente aderida ao corpo.


COR: nos brancos é branco puro. A pigmentação da pele ou marcações na cabeça não devem ser penalizadas. Nos coloridos, a cor deve predominar em área sobre o branco. O rajado é preferido. Rajado escuro, vermelho, castanho claro e tricolor são aceitáveis. Marcas pequenas no pêlo branco são indesejáveis, azul e fígado são altamente indesejáveis.


TAMANHO: não há limites para a altura e o peso, mas o cão deve dar a impressão de máxima substância para seu tamanho, em coerência com as suas qualidades e sexo.


Bulterrier Miniatura: neste caso a altura não pode exceder a 35,5 cm e não há limite para o peso desde que dê a impressão de substancioso e de proporções equilibradas.


MOVIMENTAÇÃO: através da cobertura de solo e do movimento característico ritmado, fácil e fluente, o cão transmite a sensação de ter todas as suas partes bem integradas. No trote os membros trabalham em planos paralelos. Quando a velocidade aumenta, as pegadas convergem para o eixo central. Os anteriores apresentam bom alcance de passadas e os posteriores fornecem bastante propulsão pela ação compassada das ancas e da garupa e pela flexão dos joelhos e jarretes.

FALTAS: qualquer desvio, dos termos deste padrão, deve ser considerado como falta e penalizado na exata proporção de sua gravidade.

DESQUALIFICAÇÕES: gerais.

NOTA: os machos devem apresentar os dois testículos, bem visíveis e normais, totalmente descidos na bolsa escrotal.

As informações deste artigo foram fornecidas pelo Bull Terrier´s Alley Kennel - propriedade de Hamilton J. Borges Jr. - Campinas - SP

Bull Terrier's Alley Kennel : fones 019-2525078 / 019 - 9712.8288

Versão para imprimir



 



Copyright®1997/2011 - Comercial De Cicco. Todos os direitos reservados. Qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação deste conteúdo é expressamente proibida, estando sujeito o infrator às sanções legais cabíveis, de acordo com a lei 9610/98. Política de Privacidade e Segurança



Anuncio160x240


Saúde Vida On line