linha


linha


Entre para a família Saúde Animal.

linha

Entre e faça uma homenagem ao seu amigo.


CONDIÇÕES DE USO DE NOSSAS IMAGENS E TEXTOS

ALCON

Google
 
Logo Cães

Meu cão está cego.. e agora?

Um dia o proprietário percebe que seu bichinho de estimação já não consegue apanhar com agilidade e rapidez o seu brinquedo preferido, está com dificuldade para chegar no prato de ração, e até começa esbarrar nos móveis e tropeçar nos degraus da escada. Nesta hora a família se dá conta que seu amiguinho está perdendo a visão, e o pânico está instalado. “O que fazer?” “Será que foi a troca de ração?” “Ou aquele remédio da semana passada?” “Não devíamos ter usado aquele shampoo nele, deve ter irritado os olhos...” “Ontem ele não estava assim, o que aconteceu?”

Calma! O melhor é manter a calma. O que deve ser feito neste momento é procurar a ajuda de seu veterinário de confiança. Ele poderá, através de exames e testes específicos esclarecer de fato, o que está acontecendo ao seu Pet, e ainda, dependendo do caso, encaminhá-lo para um veterinário especializado em oftalmologia.

O profissional irá avaliar a acuidade visual e as causas da possível cegueira, determinando se a enfermidade é reversível e neste caso indicar o tratamento adequado. Mas e se a cegueira for irreversível? Neste caso, ao veterinário caberá mais uma função: auxiliar o proprietário e sua família a aceitar a nova condição do seu companheiro.

É difícil para alguns encarar a realidade de que daqui para frente, a família terá que conviver com um membro deficiente visual, e muitas dúvidas surgirão. É possível conviver com um animal cego dentro de casa? Sim, claro! Os cães tem a capacidade de “decorar” o lugar utilizando os outros sentidos, principalmente o olfato. Eles “gravam” mentalmente onde está a mobília, as portas e escadas, e, para ajudá-los, existem alguns “truques” que podem ser utilizados.

Evite mudar a mobília de lugar, e não deixe objetos espalhados pelo chão, assim evitará que o animal seja pego de surpresa. Marque a mobília, os pés das mesas e cadeiras, a soleira das portas e o primeiro degrau das escadas, com um perfume forte (de preferência, diferente dos usados pelos membros da família). Isso ajudará o cão a se guiar pela casa, desviando dos obstáculos, uma vez que seu olfato é bem apurado.

Procure não mudar o local das refeições dele, e, em casas com piscina, é importantíssimo cobri-la ou evitar que o animal tenha acesso. O ideal é sempre manter contato com o Pet através da voz ou por ruídos característicos (de sapato, pulseiras), para que se guie pelos sons e possa localizá-lo mais facilmente. Tambem é interessante oferecer brinquedos que tenham sons ou cheiros, afinal, só porque está cego, não significa que não possa se divertir!
Estes pequenos cuidados irão facilitar a vida do seu cãozinho. Na maioria das vezes o cão se adapta rapidamente à cegueira. É mais dificil para os donos, que ficam penalizados e se abalam mais que o próprio animal. A família deve aceitar o amiguinho de estimação, com suas limitações, afinal ele ainda é o mesmo! A palavra chave é readaptação.

Ao adotar um cão, deve-se levar em consideração que ele viverá aproximadamente 15 anos em sua companhia e que é de sua responsabilidade cuidar do seu bem-estar, curtindo as alegrias e enfrentando as adversidades, mas principalmente retribuindo o amor e o companheirismo.


Carla Diele - Médica Veterinária
CRMV-RJ 6165

Versão para imprimir



Copyright®1997/2014 - Comercial De Cicco. Todos os direitos reservados. Qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação deste conteúdo é expressamente proibida, estando sujeito o infrator às sanções legais cabíveis, de acordo com a lei 9610/98. Política de Privacidade e Segurança



Anuncio160x240


Saúde Vida On line