menu_zoo Outros Vermes Répteis Protozoários Primatas Poriferos Peixes Moluscos Miriápodes mamífeors Insetos Felinos Fauna Brasil Equinodermos Crustáceos Celenterados Aves Aracnídeos Anfíbios Ameaçados Acrânios


ALCON

Google
 

Diabo da Tasmânia

Clique aqui para ouvir o som do Taz (Cartoon)
Clique aqui para ouvir o som do diabo-da-tasmânia
O Taz do Cartoon, é o diabo-da-tasmânia. O desenho surgiu em maio de 1954 mas, veio fazer sucesso em 1991 quando apareceu na série conhecida como "Taz-mania".

O Diabo-da-tasmânia, com aparência de ursinho, é o mais feroz e o mais carniceiro de todos os marsupiais. Em sua ação destruidora, ataca todos os animais que não lhe podem opor resistência, além de comer carniça. O Diabo da tasmânia pode abrir é mandíbula 120 graus!

 

NOME COMUM: Diabo-da-tasmânia
NOME CIENTÍFICO: Sarcophilus harrisii
NOME EM INGLÊS: Tasmania Devil
FILO: Chordata
CLASSE: Mammalia
ORDEM: Marsupialia
FAMÍLIA: Dasyuridae
PESO: macho de 6 a 9 kg e a fêmea de 4 a 5 kg
TAMANHO: Seu tamanho é 52 a 80 cm, rabo 23 a 30 cm
TEMPO DE VIDA: 7 a 9 anos

REPRODUÇÃO: Começam a acasalar aos 2 anos. Acasalam em março ou abril, e o jovem nasce maio ou junho. Gestação dura 21 dias. Machos e fêmeas vivem separados. A fêmea dá a luz 3 a 4 filhotes que medem 12 mm de comprimento. Ao contrário da maioria das fêmeas desta família, a bolsa marsupial fica completamente fechada durante todo o tempo em que os filhotes aí vivem.

FILHOTES: O filhote nasce e fica acomodado na bolsa marsupial que fica nas costas da mãe. Normalmente são 4 filhotes e, apesar de 4 tetas, o normal é sobreviver apenas 2 ou 3 filhotes. No final de 7 semanas já medem 70 mm e, depois de 15 semanas abandonam as tetas maternas. Nesse período já possuem pelagem e os olhos já estão abertos. São amamentados durante uns 5 meses e transferidos para um ninho tão logo atinjam um tamanho que não lhes permita continuar na bolsa ventral. São desmamados aos 6 ou 7 meses de idade.

CARACTERÍSTICAS FÍSICAS: O corpo maciço apresenta uma cabeça enorme, o focinho largo com o lábio superior eriçado de verrugas, bochechas contendo tufos de vibrissas longas e rígidas, os olhos pequenos, a cauda curta, cônica e muito grossa, e os membros curtos e ligeiramente tortos, quase iguais em tamanho. O marsúpio,. em forma de ferradura, abre-se posteriormente.

PELAGEM: a pelagem é negra em quase sua totalidade, constitui-se de pêlos curtos e eriçados e uma raia branca atravessa o peito, com duas manchas, igualmente brancas, ornando-lhe os flancos.

ALIMENTAÇÃO: Animais mortos (carne putrefata) e quando isto não está disponível o Diabo tasmaniano comerá a terra que cava, insetos, ovos de pássaro e qualquer coisa. O Diabo tasmaniano é um animal muito lento e está então impossibilitado a caça. Suas mandíbulas e dentes são poderosos, o que lhe permite devorar sua presa completamente, até os ossos, pele e pêlos.

HÁBITOS: O diabo possui hábitos noturnos (ativo depois da escuridão). Durante o dia esconde-se normalmente em uma guarida, ou arbusto denso. Anda distâncias consideráveis de até 16 k ao longo de rastros bem definidos à procura de comida. Normalmente anda lentamente mas pode correr. Diabos jovens são porém mais ágeis e podem escalar árvores.

SOM: seu rosnar e bater de dentes sugerem uma índole feroz e intratável. Ouvir o seu grunhido na floresta chega a "arrepiar a espinha", o que levou os nativos a chamarem-no de "diabo". O diabo faz uma variedade de ruídos ferozes, de tosses severas e grunhidos para guincho altos. Um espirro afiado é usado como um desafio para outros diabos, e freqüentemente vem antes de uma briga. Muitos deste comportamento espetacular são escarpados e parte de um ritual para minimizar lutas quando estão se alimentando coletivamente uma carcaça grande.

DISTRIBUIÇÃO: Os Diabos já viveram em todo continente Australiano, onde já foram encontrados fosseis em diversos locais. Hoje, porém, ele só é encontrado na região da Tasmânia. Acredita-se também que o dingo, que foi trazido na Austrália por pessoas Aborígines, foi um dos responsáveis pelo desalojamento do diabo do continente. Hoje, diabos-da-tasmânia são particularmente comuns no norte, leste e distritos centrais onde existe prática de agricultura (por exemplo onde existe ovelhas pastando também existe muita carne putrefata). Diabos tasmanianos podem ser vistos, em muitas áreas rurais e desertos, quando se dirige à noite lentamente ao longo de estradas secundárias. São vistos com facilidade no Asbestos Range National Park, Mt. William National Park, Cradle Mt. National Park, the Arthur River e na área dos lagos highland.

COMPORTAMENTO: É raramente agressivo, mas em cativeiro mostra-se dócil, mesmo se perturbado à hora das refeições. O diabo possui hábitos noturnos (ativo depois da escuridão). Durante o dia esconde-se normalmente em uma guarida, ou arbusto denso. Anda distâncias consideráveis de até 16 k ao longo de rastros bem definidos à procura de comida. Normalmente anda lentamente mas pode correr. Diabos jovens são porém mais ágeis e podem escalar árvores. O famoso bocejo do diabo que olha e ameaça abrindo sua boca, pode estar enganando. Esta exibição é executada mais por medo e incerteza que de agressão. Diabos produzem um odor forte quando estão com medo, mas se estão calmos e relaxados não são fedorentos.

No início da colonização da Tasmânia, ele se mostrou nocivo, porque destruía as galinhas com o mesmo instinto sanguinário das martas. Os colonos começaram, então a perseguí-lo com tal encarniçamento que ele se retirou para as floresta mais profundas e as mais inacessíveis regiões montanhosas da ilha.

Em 1830 a Companhia Van Diemen's Land introduziu um esquema para remover os diabos, como também tigres tasmanianos e cachorros selvagens, das propriedades ao noroeste: pagavam 25 centavos para diabos machos e 35 centavos para fêmeas. Durante um século foram apanhados ou envenenados e ficou muito raro. Eles pareciam, como o tigre tasmaniano, ser ido a extinção. Apesar disso o diabo tasmaniano não foi protegido através de lei de junho de 1941. Esta história teve um final feliz, porém, foi porque a população aumentou gradualmente até hoje que o diabo tasmaniano é abundante e aparentemente esta segura e fora da extinção. O diabo tasmaniano foi escolhido como o símbolo dos parques nacionais tasmanianos (Tasmanian National Parks) e Wildlife Service.


Lúcia Helena Salvetti De Cicco
Diretora de Conteúdo e Editora Chefe

Versão para imprimir

CONDIÇÕES DE USO DE IMAGENS E TEXTOS


Copyright®1997/2014 - Comercial De Cicco. Todos os direitos reservados. Qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação deste conteúdo é expressamente proibida, estando sujeito o infrator às sanções legais cabíveis, de acordo com a lei 9610/98. Política de Privacidade e Segurança




Sa�de Vida On line


Entre para a família Saúde Animal e personalize sua navegação.