menu_zoo Outros Vermes Répteis Protozoários Primatas Poriferos Peixes Moluscos Miriápodes mamífeors Insetos Felinos Fauna Brasil Equinodermos Crustáceos Celenterados Aves Aracnídeos Anfíbios Ameaçados Acrânios


ALCON

Google
 

Jabuti

Página com videoclipe 


Se você quiser ouvir o som do Jabuti-piranga (Geochelone carboraria) clique aqui. Para ouvir o som do Jabuti-tinga (geochelone denticulata) clique aqui.

Este animal é protegido pelo IBAMA e esta na Lista Oficial de Espécies da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção publicada (Portaria no 1.522, de 19 de dezembro de 1989). Como todos os animais silvestres, requerem autorização especial do IBAMA para serem criados em cativeiro.

Existem duas espécies de jabutis reconhecidas para o Brasil, a saber: jabuti-piranga (Geochelone carbonaria) e jabuti-tinga (Geochelone denticulata). Podem viver muitos anos e isso ainda é razão de muita controvérsia, mas com certeza podem atingir os cem anos.

Jabuti-piranga

FILO: Chordata
CLASSE: Reptilia
ORDEM: Chelonoidis

SUBORDEM:Cryptodira
FAMILIA: Testudinidae

GÊNERO:
Geochelone
NOME CIENTÍFICO: Geochelone carbonaria
NOME EM INGLES: Red-footed Tortoise

NOME COMUM: Jabuti-piranga

CARACTERÍSTICAS:

Tamanho: Os machos são maiores que as fêmeas, em média 30.4 cm e as fêmeas 28.9 cm. Máximo de 40-50cm.
Peso: 6 a 12 kg
Época de reprodução: Primavera/verão.
Maturidade Sexual: entre 5 e 7 anos
Nº de ovos: 6 ou 7, mas alguns autores mencionam posturas de 15 a 20 ovos.
Incubação: de seis a nove meses.
Tempo de Vida: em torno de 80 anos
Possui carapaça relativamente alongada. Em geral, é de colorido mais vivo que o Geochelone denticulata. Possui escamas da cabeça e da pata de cor vermelha. No Brasil, normalmente não são mantidos em terrários fechados. É mais comum vê-los às quantidades em grandes recintos ao ar livre e expostos às variações climáticas. Se não puder manter este animal em recintos fechados e a opção for abertos, é importante que o chão seja gramado e não de terra batida, muito menos concreto ou qualquer outro tipo de solo abrasivo. A grama impede que os animais provoquem atrito no plastrão, o que seria inevitável num substrato abrasivo; ainda, os machos no período reprodutivo caminham encaixados sobre as fêmeas e tendem a pôr o pênis em contato com o solo, que se for abrasivo pode resultar em graves feridas. Deve, pois, ser reposta periodicamente, uma vez que seja bastante pisoteada, mormente se o recinto contiver muitos animais.

Habitat: ocorre na região central do Brasil

 

Jabuti-tinga

 


FILO: Chordata
CLASSE: Reptilia
ORDEM: Chelonoidis

SUBORDEM:Cryptodira
FAMILIA: Testudinidae

GÊNERO: Geochelone
NOME CIENTIFICO: Geochelone denticulata
NOME EM INGLES: Yellow-Footed Tortoise

NOME COMUM: Jabuti-tinga
CARACTERÍSITCAS:

Tamanho: Os machos são menores que as fêmeas, podendo atingir até cerca de 40 cm de comprimento. As fêmeas chegam até 70 cm.

Peso: 6 a 12 kg

Maturidade Sexual: entre 5 e 7 anos

Época de reprodução: Primavera/verão.
Nº de ovos: 6 ou 7, mas alguns autores mencionam posturas de 15 a 20 ovos.

Incubação: de seis a nove meses.

Tempo de Vida: em torno de 80 anos

Sua manutenção também requer grandes espaços, observando-se todos os cuidados com tipo de piso e temperatura, uma vez que também são animais usualmente mantidos em recintos abertos.

Esta espécie caracteriza-se por uma coloração em geral mais clara que a precedente. A denominação denticulada provém dos dentículos que os filhotes apresentam nas bordas das escamas marginais da carapaça. à medida que os animais vão se desenvolvendo, perdem os dentículos, mas conservam o colorido amarelado.

É nitidamente maior que o Geochelone carbonaria. É na verdade a maior espécie de jabuti da América do Sul e habita florestas densas.

Habitat: norte de Brasil, tendo também hábitos mais florestais.

Alimentação

Os jabutis, ao contrário do que muitas pessoas pensam, devem receber uma dieta de qualidade e bem diversificada. Em cativeiro podem ser mantidos com camundongos abatidos ou carne como suplemento de cálcio (em dias alternados). Frutas: uvas, abóboras, bananas, mamão, pêras. Flores: pétalas de rosa*, flores de hibisco e de ipê-amarelo. Verduras: escarola, e um pouco de carne moída e cogumelos. Duas ou três vezes por semana pulverizar sobre o alimento, um suplemento alimentar, como por exemplo o Vionate. No caso de filhotes, pique tudo bem miudinho. Água à vontade.
* As pétalas devem ser de rosas cultivadas em quintais e não de floriculturas, pois caso contrário estarão impregnadas de herbicidas, o que pode ser fatal para os animais.

Reprodução

Nem sempre é possível identificar o sexo dos répteis, visto que em boa parte das espécies não há diformismo sexual e alguns caracteres sexuais externos são visualizados apenas na época da reprodução.

Nos jabutis uma das principais características é o plastrão, que nos machos é côncavo e nas fêmeas é reto, ou mesmo convexo. Isso facilita o procedimento da cópula, de modo que o macho possa encaixar-se sobre a fêmea. O orifício cloacal nos machos está situado mais afastado do plastrão que nas fêmeas. Em função das fêmeas porém ovos, suas placas anais formam um ângulo mais pronunciado que nos machos, facilitando assim a saída dos ovos, no momento da postura.

O período reprodutivo é determinado pelas estações do ano e ocorre principalmente a partir do mês de outubro, tendo seu ápice em janeiro. Essas épocas podem variar um pouco, de região para região. Os machos devem ser maiores que as fêmeas para que com seu peso possam ter maiores chances de fecundá-las.

Quando existe mais de um macho, eles vão disputar a fêmea, os machos recolhem a cabeça e batem repetidamente seus cascos um nos dos outros, mas não chegam a se machucar. Como nem sempre a fêmea aceita o macho, os criadores que têm vários Jabutis os deixam juntos para aumentar as chances de cruzamento. Ao acasalar, o macho emite um chiado típico. Os jabutis costumam enterrar os seus ovos em local que lhes parecer mais apropriado, em geral onde bate muito sol e a terra tem consistência que lhes permite cavar. Esses animais não camuflam o lugar, o que torna possível identificá-lo pela terra remexida.

Os ovos devem ser recolhidos porque dificilmente ocorrem as condições ideais de temperatura e umidade para eclodirem. Uma vez localizados, é preciso não mudá-los de posição. Marque-os com um "x", a lápis, na parte superior para melhor controle.

Os ovos dos jabutis não devem ser virados, pois por não possuírem os mesmos mecanismos de proteção interna existentes nos ovos das aves, fatalmente o embrião pode sofrer danos mecânicos. Ainda, também para que tenha sucesso incubando ovos de jabutis, é importante a existência de bons machos, pois é muito comum que as fêmeas realizem posturas com ovos não fecundados.

Os ovos devem ser submetidos a uma temperatura média de pelo menos 27ºC, para serem fecundados. O ideal é que logo após a postura os ovos seja colocados em uma incubadora, com altura de aproximadamente de 40cm, que pode ser feita com um aquário, contendo uma lâmina de água de 8cm e tendo uns 2cm acima desta lâmina uma tela na qual devem ser colocados os ovos. A água então deve estar permanentemente aquecida a 28ºC. Pode-se colocar um aquecedor na água com termostato e um termômetro para controlar a temperatura. A incubadora deve estar fechada, podendo ser mesmo um plástico cobrindo o aquário, mas bem fixo com uma fita adesiva. Nessa condições, se os ovos estiverem fecundado, os filhotes devem nascer em torno de 6 meses.

Assim que os jabutizinhos nascerem devem ser retirados da maternidade e devem ser colocados dentro de uma bacia. Por cima, ponha lâmpadas de 25 a 60 watts. Mantenha-os em ambiente fechado, para manter a temperatura ao redor de 26 graus. Não é necessário oferecer alimentos pois eles só começam a se alimentar com um mês de idade. Até lá, nutrem-se com a reserva vitelínea que mantêm no abdômen ao saírem do ovo. Basta colocar uma vasilha rasa com água para beberem. Quando completarem um mês, podem ser transferidos para junto dos pais.

 

É importante atendê-los com uma dieta balanceada, satisfazendo assim e principalmente às exigências de vitamina A.

Terrário

Em princípio, pense em utilizar substratos que tenham as seguintes características:

  • O local deve ser fácil de manter a higiene do recinto;
  • Não deve encharque com facilidade;
  • Os objetos colocados dentro do terrário devem ter um tamanho grande, o suficiente para não ser engolido pelo animal (Jabutis gostam de engolir coisas bizarras...);
  • O piso não deve ser abrasivo ou cortante;
  • Tem que oferecer um certo conforto térmico;
  • Deve ser prático e barato.

Nota-se portanto que não é tão simples assim escolher um substrato. Descarte, areia ou terra, muito menos serragem. Folha de jornal é bom e prático, porém não é esteticamente agradável. Existe um substrato chamado Repti Bark da Zoomed que é composto por cascas de arvores especialmente tratada. Outra opção é um carpete ou grama sintética, ambos também dedicados a répteis. Estes últimos são realmente ótimos e práticos.

Primeiro tire a Terra. Tamanho ideal é sempre em proporção ao tamanho do animal, lembre-se que Jabutis ficam grandes... Quanto ao bebedouro, um pratinho destes de vaso de planta geralmente permitem que jabutis pequenos entrem e saiam com facilidade e se for necessário coloque umas pedras dentro como degrau.

Este animal também é sujeito à Sindrome metabólica esquelética caso não receba iluminação adequada.

Higiene

A higiene é imprescindível para a manutenção de répteis em cativeiro. Recomenda-se que a limpeza dos terrários seja freqüente e a troca de água seja diária. Os excrementos devem ser retirados antes da limpeza. Os utensílios de cada terrário devem ser exclusivos, evitando carrear microorganismos de um local para outro. Comedouros e bebedouros devem ser limpos após o uso. Antes de ocupar um terrário com novos animais, precerde-se-á a desinfecção. Os desinfetantes à base de fenóis não devem ser usados, pois são normalmente ineficazes no combate à Pseudomonas, um microorganismo freqüente nos terrários. Um desinfetante eficiente e de baixo custo é o hipoclorito de sódio (água sanitária), diluído na proporção de 3% em desinfecções rotineiras. O iodofór (iodo orgânico) é eficaz contra vírus, bactérias e fungos e bastante seguro para os répteis. na prática, o agente químico de desinfecção deve permanecer em contato com as superfícies por 15 a 30 minutos, antes de serem enxaguadas. A maioria dos desinfetantes são inativos em presença de material orgânico, sendo portanto necessária a limpeza de excrementos e detritos antes da desinfecção.

Não é preciso que a higiene das instalações se torne uma obsessão. Basta adotar práticas que passem a ser rotinas de trabalho.

 

Outras espécies de Jabuti:

 

Geochelone (Chelonoidis) carbonaria (Tortue charbonnière)
Geochelone (Chelonoidis) chilensis (Tortue d'Argentine)
Geochelone (Chelonoidis) denticulata (Tortue dentelée)
Geochelone elegans (Tortue élégante)
Geochelone (Dipsochelys) elephantopus (Tortue géante des Galapagos)
Geochelone gigantea (Tortue géante d'Aldabra)
Geochelone pardalis (Tortue léopard)
Geochelone platynota (Tortue à dos plat)
Geochelone (Astrochelys) radiata (Tortue étoilée)
Geochelone sulcata (Tortue sillonée)
Geochelone (Astrochelys) yniphora (Tortue à soc)

 

Lúcia Helena Salvetti De Cicco
Diretora de Conteúdo e Editora Chefe

Bibliografia:
FRANCISCO, Luiz Roberto Répteis do Brasil - Manutenção em cativeiro
Gráfica e Editora Amaro Ltda - 1997

*A maioria das informações desta pagina foram fornecidas pelo Biólogo e Autor do livro Répteis do Brasil - Luiz Roberto Francisco e Pelo Dr. Zalmir Cubas - especialista em aves e animais selvagens. Ambos são colaboradores da Saúde Animal

Versão para imprimir

CONDIÇÕES DE USO DE IMAGENS E TEXTOS


Copyright®1997/2014 - Comercial De Cicco. Todos os direitos reservados. Qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação deste conteúdo é expressamente proibida, estando sujeito o infrator às sanções legais cabíveis, de acordo com a lei 9610/98. Política de Privacidade e Segurança




Sa�de Vida On line


Entre para a família Saúde Animal e personalize sua navegação.