menu_zoo Outros Vermes Répteis Protozoários Primatas Poriferos Peixes Moluscos Miriápodes mamífeors Insetos Felinos Fauna Brasil Equinodermos Crustáceos Celenterados Aves Aracnídeos Anfíbios Ameaçados Acrânios



Entre para a família Saúde Animal.


ALCON

Google

Métodos de Contenção e Manejo de quelônios

Assim como existem equipamentos adequados para a contenção de répteis, existem métodos que devem ser observados para que se possa executar um manejo correto.

Quando se insiste para que sejam observados os devidos procedimentos para a contenção dos animais, isso não se restringe apenas àqueles perigosos, mas também e principalmente, podem sofrer lesões irreversíveis e mesmo morrer.

Os quelônios mais comumente mantidos em cativeiro são cágados e jabutis e sua contenção não representa maiores problemas. Os cágados normalmente não atingem grandes proporções e em geral podem ser facilmente manuseados, muito embora, por vezes, suas unhas arranhem aqueles que os está manipulando.

Uma dificuldade na contenção de cágados reside no fato de que algumas espécies recolhem o pescoço para o lado, dentro da carapaça. Se for necessário que o pescoço do animal seja colocado para fora, há um procedimento bastante simples: basta segurar uma dobra da pele do pescoço com uma pinça e manter o animal suspenso. Sustentando o corpo com o pescoço, pouco a pouco o animal vai cedendo ao peso do próprio corpo terminando por relaxar o pescoço e conseqüentemente colocando-o para fora.

Os jabutis, por outro lado, podem atingir em média 70 cm quando adultos e pesar mais de 30 quilos. Devido a isso, às vezes, pode ser complicado sustentar esses animais nas mãos. Pesados ou não, contudo, os jabutis devem ser seguros pelos lados da carapaça. Se contidos por muito tempo nas mãos têm o hábito de urinar e defecar, como forma de defesa. Uma maneira bastante prática para conter um jabuti sem mantê-lo nas mães e melhor do que simplesment4 virá-lo de costas, é lançar mão de um objeto cilíndrico tal qual uma lata de leite em pó, essa lata colocada embaixo do animal, impede-o de se deslocar, pois seus membros estarão suspensos.

As tartarugas propriamente ditas, e que são marinhas, atingem grandes proporções. Dependendo do tamanho, não podem ser manejadas por um só homem e freqüentemente soa necessários vários homens. Dentro da água, em um tanque, um mergulhador pode manter uma tartaruga de porte razoável segurando-a na carapaça pela caudal. Nunca devem ser seguras pelos lados da carapaça, como nos jabutis, pois têm freqüentemente um limo que as tornam extremamente escorregadias e, se seguras desse modo, facilmente escaparão. A contenção pelas nadadeiras ou aletas também não é aconselhável, pois além da possibilidade de o animal escapar também pode ser machucado.

Luiz Roberto Francisco
Biólogo, Diretor do Zoo de Curitiba e Coloborador do Saúde Animal
Autor do Livro Répteis do Brasil - Manutenção em Cativeiro

* Artigo originalmente publicado no livro Répteis do Brasil - Manutenção em Cativeiro

Versão para imprimir

CONDIÇÕES DE USO DE IMAGENS E TEXTOS


Copyright®1997/2014 - Comercial De Cicco. Todos os direitos reservados. Qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação deste conteúdo é expressamente proibida, estando sujeito o infrator às sanções legais cabíveis, de acordo com a lei 9610/98. Política de Privacidade e Segurança



Anuncio160x240


Sa�de Vida On line